MINISTÉRIO DA SAÚDE

GOVERNO DA REPÚBLICA DE ANGOLA

Nesta Edição

Ajuda, precisa-se!

Imagens da situação dramática que se vive no Hospital Pediátrico, em Luanda, captadas pela objectiva do nosso fotógrafo, Jorge Vieira. Precisa-se da ajuda de empresas e particulares.

Bio-ameaça
Falta de saneamento agrava epidemias

Stress no trabalho:

Lutar ou fugir?

Problemas de coluna:

Como prevenir?

José Sayovo

Como é que eu, um cego, poderia correr?

O lixo acumulado nas ruas, águas paradas, incipiente saneamento básico, dificuldades dos hospitais com falta de medicamentos e gastáveis e as fortes chuvas que se fizeram sentir, nomeadamente em Luanda, ajudam a explicar a rápida propagação da malária (500 mil pessoas afectadas) e febre amarela nos últimos meses (493 casos confirmados, dos quais 350 na capital, até 31 de Março). Presidente da República cria comissão para limpar a província. O ministro da Saúde de Angola, Luís Gomes Sambo, inicia vacinação em massa contra a febre amarela (5,8 milhões vacinados até ao final de Março), avança com o recrutamento de até dois mil médicos e paramédicos angolanos e anuncia a disponibilização de mais de 30 milhões de dólares para a compra de vacinas, medicamentos e outro material. A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma que Angola vai ter de imunizar com urgência 19,3 milhões de pessoas, em 12 províncias, para travar a epidemia que já provocou pelo menos 218 mortes.

Ainda que se saiba que o stresse crónico tem efeitos devastadores na saúde, será o mais puro engano pensarmos que, na sociedade actual, poderemos sobreviver sem conseguirmos geri-lo.

Como dificilmente temos as opções de deixar de trabalhar, de arranjar profissões "mais saudáveis", ou compatíveis com eventuais problemas de coluna, é fundamental adoptar estratégias de prevenção e de compensação.

Foi esta a pergunta que José Sayovo fez a si próprio quando, um certo dia, o secretário-geral do Comité Paralímpico o convidou para praticar atletismo. A sua biografia está prestes a ser publicada.

Até 13 de maio de 2016, está aberto o curso para atribuição de bolsas para estágios de curta duração em Portugal, nas áreas de anestesiologia, cirurgia geral, ginecologia, obstetrícia.

 

Podem candidatar-se profissionais de saúde dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e de Timor-Leste.

 

As candidaturas devem ser submetidas electronicamente, em formulário próprio, em www.gulbenkian.pt/ParceriasDesenvolvimento

 

Informações: saudepalop2016@gulbenkian.pt

...........................................................................................................................................................................................................................................................................

Copyright © 2015 Jornal da Saúde Angola. Todos os direitos reservados. Created by FOURFORCE